Deprecated: Creation of dynamic property Mondula_Form_Wizard::$shortcode is deprecated in /home/imageres/public_html/wp-content/plugins/multi-step-form/includes/msf.class.php on line 137
The Scopes Monkey Trial: tudo o que você precisa saber - Centro de restauração de imagens
Logotipo do Blog do Centro de Restauração de Imagens

O teste do Scopes Monkey: tudo o que você precisa saber

O teste do Scopes Monkey: tudo o que você precisa saber

O Julgamento de Scopes Monkey, oficialmente conhecido como Estado do Tennessee v. John Thomas Scopes, é uma das batalhas legais mais icônicas da história americana. Este julgamento histórico, que ocorreu no quente verão de 1925 em Dayton, Tennessee, opôs a ciência à religião e a tradição ao progresso.

Na sua essência, o Scopes Monkey Trial girou em torno do ensino da evolução nas escolas públicas e tornou-se um momento decisivo na luta contínua entre ciência e religião na sociedade americana. Neste artigo abrangente, iremos nos aprofundar nos antecedentes, nos principais atores, no significado, nos procedimentos e nas consequências do Julgamento de Scopes Monkey, lançando luz sobre seu impacto duradouro na educação, na lei e no cenário cultural e intelectual mais amplo dos Estados Unidos. .

teste de macaco de escopos

Antecedentes do julgamento do Scopes Monkey

O início do século 20 testemunhou mudanças culturais e intelectuais significativas na América. Um dos desenvolvimentos mais proeminentes foi a crescente aceitação da teoria da evolução de Charles Darwin por meio da seleção natural. Esta teoria científica desafiou as crenças religiosas tradicionais que enfatizavam a criação divina e uma interpretação literal do relato bíblico da criação no livro de Gênesis. Como resultado, o ensino da evolução nas escolas públicas tornou-se uma questão controversa em muitas partes do país.

O Tennessee, um estado predominantemente conservador e religioso, foi um dos primeiros a tomar medidas contra o ensino da evolução nas escolas públicas. Em 1925, a Assembleia Legislativa do Estado do Tennessee aprovou a Lei Butler, uma lei que tornava ilegal ensinar “qualquer teoria que negue a história da criação divina conforme ensinada pela Bíblia e, em vez disso, ensinar que o homem descende de uma ordem inferior de animais. ” A violação da lei poderia resultar em multa de até $500, uma quantia significativa na época.

John Thomas Scopes, um jovem professor de biologia do ensino médio em Dayton, Tennessee, tornou-se a figura central neste drama jurídico. Embora tivesse abordado apenas brevemente o tema da evolução na sua sala de aula, ele voluntariou-se para servir como caso de teste para a União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU), que procurava desafiar a constitucionalidade da Lei Butler. Scopes concordou em ser encarregado de ensinar a evolução, preparando o terreno para uma das provações mais significativas do século XX.

Principais participantes no julgamento do Scopes Monkey

john t escopos
John T. Escopos
  1. Escopos de John Thomas: Professor de biologia do ensino médio de 24 anos, Scopes foi acusado de violar a Lei Butler ao ensinar a teoria da evolução em sua sala de aula. Ele se tornou réu no julgamento e foi representado por uma equipe de renomados advogados de defesa.
 
  1. William Jennings Bryan: Figura proeminente na política americana e três vezes candidato democrata à presidência, Bryan atuou como promotor principal no julgamento. Ele era um cristão devoto e um oponente veemente do ensino da evolução.
  2. Clarence Darrow: Um célebre advogado de defesa e um firme defensor das liberdades civis, Darrow liderou a equipe de defesa de Scopes. Conhecido por sua eloquência e mente jurídica perspicaz, Darrow desempenharia um papel fundamental no julgamento.
  3. Juiz Raulston: O juiz presidente do julgamento, Raulston, foi encarregado de garantir que o processo obedecesse aos padrões legais. No entanto, as suas decisões também seriam analisadas pelo seu impacto no resultado do julgamento.

Significado do Julgamento

O Julgamento do Macaco Scopes teve um significado imenso em vários aspectos:

  1. Choque de cosmovisões: O julgamento simbolizou a profunda divisão cultural e ideológica na sociedade americana entre as crenças religiosas tradicionais e a visão científica emergente do mundo. Destacou a tensão entre o fundamentalismo religioso e a aceitação das teorias científicas modernas.
  2. Desafio à liberdade acadêmica: O julgamento levantou questões fundamentais sobre a liberdade acadêmica e o papel da educação pública. Deverá o Estado ditar o que pode ou não ser ensinado nas escolas públicas, ou deverão os educadores ter a liberdade de explorar e ensinar as mais recentes teorias científicas?
  3. Atenção Nacional: O julgamento atraiu atenção nacional e até internacional, tornando-se uma sensação na mídia. Jornais, programas de rádio e cinejornais levaram os procedimentos do julgamento às casas de milhões de americanos, intensificando o debate sobre evolução e religião.
  4. Evolução como ponto de inflamação cultural: O julgamento catapultou a teoria da evolução para o centro do discurso público, solidificando-a como um símbolo do pensamento científico moderno e do secularismo. Também catalisou a formação de movimentos criacionistas que persistem até hoje.

A acusação: William Jennings Bryan

william jennings bryan_o museu nacional da diplomacia americana
Foto do Museu Nacional de Diplomacia Americana.

A acusação no Julgamento de Scopes Monkey foi liderada pelo eminente orador e estadista William Jennings Bryan, que já havia servido como Secretário de Estado no governo do presidente Woodrow Wilson. Bryan era um cristão devoto e um firme defensor da acusação daqueles que ensinavam evolução nas escolas públicas. Ele viu o julgamento como uma oportunidade para defender o literalismo bíblico e proteger os valores religiosos do que considerava a influência corrosiva do materialismo científico.

A carga: Evolução do Ensino

O caso da acusação foi simples: John Scopes foi acusado de violar a Lei Butler ao ensinar a teoria da evolução aos seus alunos. A Lei do Mordomo proibiu explicitamente o ensino de qualquer teoria que contradissesse o relato bíblico da criação, tornando crime apresentar ideias evolucionistas em salas de aula de escolas públicas.

A Defesa: Clarence Darrow

Clarence Darrow

A equipe de defesa foi liderada por Clarence Darrow, um dos advogados mais célebres de sua época. Darrow era um defensor apaixonado das liberdades civis e tinha uma longa história de defesa de indivíduos acusados de desafiar as normas sociais. Ele foi apoiado por uma equipe de advogados da ACLU que acreditavam que a Lei Butler violava os direitos constitucionais de professores e alunos.

O argumento pela liberdade acadêmica

A estratégia de defesa de Darrow centrou-se em desafiar a constitucionalidade da Lei Butler. Ele argumentou que a lei violava a Cláusula de Estabelecimento da Primeira Emenda, que proíbe o governo de estabelecer ou endossar qualquer religião específica. Darrow argumentou que a Lei Butler representava uma tentativa de impor uma crença religiosa específica à educação pública, violando assim o princípio da liberdade académica.

O julgamento

Seleção do Júri

O julgamento começou em 10 de julho de 1925, na pequena cidade de Dayton, Tennessee. Com o início do processo, o processo de seleção do júri tornou-se um ponto de discórdia. A defesa procurou um júri que fosse imparcial e aberto à consideração das questões constitucionais em questão, enquanto a acusação pretendia nomear jurados com fortes convicções religiosas. No final das contas, o júri foi composto por 12 homens, todos brancos e protestantes.

Testemunhos e interrogatórios

O julgamento contou com vários testemunhos e interrogatórios notáveis:

  1. Testemunhas Peritas: A defesa convocou cientistas renomados, incluindo o zoólogo Maynard M. Metcalf e o geólogo Horatio H. Newman, como peritos para testemunhar sobre a validade da teoria da evolução. Entretanto, a acusação trouxe teólogos e estudiosos religiosos para defender o relato bíblico da criação.
  2. Instrução em sala de aula do Scopes: O próprio Scopes tomou posição e admitiu ter usado um livro que incluía informações sobre a evolução. Essa admissão serviu de base para o caso da promotoria contra ele.
  3. Darrow x Bryan: Um dos momentos mais memoráveis do julgamento ocorreu quando Clarence Darrow chamou William Jennings Bryan ao banco das testemunhas como especialista na Bíblia. Darrow submeteu Bryan a um rigoroso interrogatório, investigando sua interpretação literal da Bíblia e desafiando seus pontos de vista sobre a idade da Terra. A troca entre esses dois titãs de suas respectivas áreas cativou o tribunal e a nação.
Foto do The Sydney Morning Herald.

O impacto da cobertura da mídia

O Julgamento do Macaco Scopes foi um espetáculo midiático. Jornais de todo o país cobriram extensivamente o julgamento, e programas de rádio e noticiários levaram o processo a uma audiência nacional. Esta cobertura mediática sem precedentes teve um impacto profundo no próprio julgamento e na percepção do público sobre as questões em jogo.

O julgamento tornou-se um confronto não apenas no tribunal, mas também no tribunal da opinião pública. Os defensores de Scopes e da liberdade académica apoiaram a defesa, enquanto aqueles que viam a evolução como uma ameaça às crenças religiosas apoiaram firmemente a acusação. O intenso escrutínio dos meios de comunicação social ampliou a importância do julgamento e transformou-o num símbolo da divisão cultural mais ampla na América.

O veredicto: culpado ou inocente?

Em 21 de julho de 1925, após oito dias de julgamento, o júri declarou o veredicto de culpado contra John T. Escopos. Ele foi multado em $100, a pena mínima de acordo com a Lei Butler. Apesar do veredicto de culpa, o julgamento não resolveu definitivamente as questões constitucionais que cercam o ensino da evolução nas escolas públicas.

Reações ao veredicto

O veredicto no julgamento do macaco Scopes provocou uma série de reações:

  1. Ambiguidade Jurídica: Embora Scopes tenha sido considerado culpado, o julgamento não resultou em um precedente legal claro sobre a constitucionalidade da Lei Butler. O veredicto baseou-se num detalhe técnico (a admissão de Scopes ao ensino da evolução) e não numa decisão decisiva sobre a própria lei.
  2. Opinião pública: O julgamento teve um impacto duradouro na opinião pública. Muitos americanos começaram a questionar a sensatez de aplicar leis que restringiam o ensino de ideias científicas nas escolas públicas. O julgamento expôs a tensão entre as crenças religiosas e a liberdade académica, suscitando discussões sobre o papel da religião na educação pública.
escopos macaco trial_constitution center
Foto de The Constitution Center.org

Legado do Julgamento do Macaco Scopes

O julgamento do Scopes Monkey saiu um legado duradouro que continua a reverberar pela sociedade americana:

  1. Evolução na Educação: O ensaio não eliminou o ensino da evolução nas escolas americanas, mas levou muitos estados a reconsiderar os seus padrões curriculares. Com o tempo, a aceitação da teoria da evolução cresceu e hoje ela é um componente fundamental do ensino da biologia.
  2. Liberdade Acadêmica: O julgamento ressaltou a importância da liberdade acadêmica na educação pública. Os tribunais em casos subsequentes têm decidido consistentemente contra o ensino do criacionismo ou do design inteligente como ciência nas escolas públicas, defendendo a separação entre Igreja e Estado.
  3. Debate Evolução-Religião: O debate sobre evolução e religião persiste na sociedade americana. Embora muitos indivíduos religiosos aceitem a compatibilidade da teoria evolucionista com as suas crenças, os movimentos criacionistas continuam a defender o ensino de visões alternativas nas escolas públicas.
  4. Influência da mídia: O Scopes Monkey Trial mostrou o poder da mídia para moldar o discurso público e influenciar a opinião pública. Estabeleceu um precedente sobre a forma como casos jurídicos de grande repercussão são cobertos pela imprensa e continuam a ser estudados por jornalistas e académicos.

o ato do mordomo

Conclusão

O Julgamento do Macaco Scopes continua a ser um símbolo duradouro do conflito entre ciência e religião na sociedade americana. Este julgamento histórico, com o seu elenco de personagens convincentes e confrontos dramáticos nos tribunais, capturou a imaginação da nação e deixou uma marca indelével nos campos da educação, do direito e do discurso público.

Embora o veredicto em si tenha tido um impacto jurídico imediato limitado, o legado do julgamento continua a influenciar os debates sobre o ensino da evolução, o papel da religião na educação pública e os limites da liberdade académica nos Estados Unidos. O Scopes Monkey Trial é um testemunho da luta duradoura para reconciliar tradição e progresso, fé e razão, no cenário em constante evolução da cultura e da sociedade americana.

john t escopos_darwin

compartilhe esta postagem